CLIQUE ABAIXO PARA COMPRAR — LIVRO FÍSICO 
AMAZON


CLIQUE ABAIXO PARA COMPRAR — E-BOOK
AMAZON   •   APPLE   •   GOOGLE   •   KOBO   •   WOOK


SINOPSE DA OBRA
O segundo romance da argentina Ariana Harwicz, autora do bem-sucedido Morra, amor, traz uma história protagonizada por mãe e filha que se espionam, se odeiam, se amam.

Em um vilarejo distante de tudo, mãe e filha dependem uma da outra em um círculo de destruição mútua, mas também de afeição. Porque esta é, sim, uma história de amor – na qual, porém, um abraço pode acabar em facada. A única saída possível para elas está no amante da filha, o redentor capaz de transformar para sempre a vida de ambas.

Esqueça o que leu a respeito de relações entre mães e filhas: Ariana Harwicz explora a convivência enlouquecida entre duas mulheres que já estiveram ligadas pelo cordão umbilical, mas agora estão unidas por violência, sexo e todas as pulsões que a sociedade reprime em nós e que aqui explodem de maneira descontrolada. A débil mental é uma leitura profundamente perturbadora, ainda que repleta de imagens de grande beleza – uma experiência incomum e por isso mesmo viciante.
 

SOBRE A AUTORA
Ariana Harwicz
nasceu em Buenos Aires, em 1977. Estudou roteiro e teatro na Argentina, graduou-se em Artes Cênicas pela Universidade Paris VII e obteve o mestrado em Literatura Comparada pela Sorbonne. Deu aulas de roteiro e escreveu duas peças. Dirigiu o documentário El Día del Ceviche [O Dia do Ceviche], exibido em festivais internacionais. Mora com a família em uma pequena cidade perto de Paris.

A débil mental, publicado originalmente em 2014, é a segunda parte de uma trilogia “involuntária”, chamada por Harwicz de “trilogia da paixão”, uma vez que os livros exploram a relação entre mães e filhos. Dela também fazem parte os romances Morra, amor [Matate, amor, de 2012], lançado pela Editora Instante em 2019, e Precoce [Precoz, de 2016], que chegará por aqui em 2021. A débil mental foi adaptado para o teatro na Argentina em 2019. Em 2018, a edição em inglês de seu livro de estreia, Morra, amor, foi indicada ao Man Booker Prize. Harwicz também é autora de Degenerado, de 2019.

Comparada a Virginia Woolf e Nathalie Sarraute, Harwicz é uma das figuras mais radicais da literatura argentina contemporânea. Sua prosa é caracterizada por violência, erotismo, ironia e crítica aos clichês que envolvem as noções de família e as relações tradicionais.
 

ELOGIOS
“Um continuum de imagens poderosas, rupturas verbais, diálogos loucos. E poesia, muita poesia.” – El País

“As ficções de Harwicz não se encaixam em nenhum estilo de literatura e estão a meio caminho entre o solilóquio e o pesadelo, como se fossem o monólogo de um sonâmbulo. A débil mental conta uma história de amor siamês entre mãe e filha.” – The Guardian

“O livro explora a violência dos relacionamentos humanos que abrangem sexo, casamento, maternidade e responsabilidade filial. [...] Há uma energia vital que pulsa nas páginas de Morra, amor, conduzindo a protagonista em cada momento crucial, para que ela finalmente se torne a narradora do próprio destino.” – La Nación

“[...] traz recordações da melhor literatura feminina já escrita, a arrebentação incomparável d’As ondas, de Virginia Woolf.” – Clarín

“Harwicz destaca-se em combater os tabus em torno de desejo feminino, lealdade filial, ausência de instinto materno e até mesmo de incesto.”” – The Guardian


ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Título: A débil mental
Autora: Ariana Harwicz
Tradução: Francesca Angiolillo
Editora: Instante
ISBN: 978-65-87342-02-3
E-ISBN: 978-65-87342-03-0
Formato: 13,5 cm x 20,5 cm
Número de páginas: 96
Edição: 1a
Ano de lançamento: 2020

A débil mental é uma publicação da Editora Instante.

A débil mental

R$44,90
Frete grátis
A débil mental R$44,90

CLIQUE ABAIXO PARA COMPRAR — LIVRO FÍSICO 
AMAZON


CLIQUE ABAIXO PARA COMPRAR — E-BOOK
AMAZON   •   APPLE   •   GOOGLE   •   KOBO   •   WOOK


SINOPSE DA OBRA
O segundo romance da argentina Ariana Harwicz, autora do bem-sucedido Morra, amor, traz uma história protagonizada por mãe e filha que se espionam, se odeiam, se amam.

Em um vilarejo distante de tudo, mãe e filha dependem uma da outra em um círculo de destruição mútua, mas também de afeição. Porque esta é, sim, uma história de amor – na qual, porém, um abraço pode acabar em facada. A única saída possível para elas está no amante da filha, o redentor capaz de transformar para sempre a vida de ambas.

Esqueça o que leu a respeito de relações entre mães e filhas: Ariana Harwicz explora a convivência enlouquecida entre duas mulheres que já estiveram ligadas pelo cordão umbilical, mas agora estão unidas por violência, sexo e todas as pulsões que a sociedade reprime em nós e que aqui explodem de maneira descontrolada. A débil mental é uma leitura profundamente perturbadora, ainda que repleta de imagens de grande beleza – uma experiência incomum e por isso mesmo viciante.
 

SOBRE A AUTORA
Ariana Harwicz
nasceu em Buenos Aires, em 1977. Estudou roteiro e teatro na Argentina, graduou-se em Artes Cênicas pela Universidade Paris VII e obteve o mestrado em Literatura Comparada pela Sorbonne. Deu aulas de roteiro e escreveu duas peças. Dirigiu o documentário El Día del Ceviche [O Dia do Ceviche], exibido em festivais internacionais. Mora com a família em uma pequena cidade perto de Paris.

A débil mental, publicado originalmente em 2014, é a segunda parte de uma trilogia “involuntária”, chamada por Harwicz de “trilogia da paixão”, uma vez que os livros exploram a relação entre mães e filhos. Dela também fazem parte os romances Morra, amor [Matate, amor, de 2012], lançado pela Editora Instante em 2019, e Precoce [Precoz, de 2016], que chegará por aqui em 2021. A débil mental foi adaptado para o teatro na Argentina em 2019. Em 2018, a edição em inglês de seu livro de estreia, Morra, amor, foi indicada ao Man Booker Prize. Harwicz também é autora de Degenerado, de 2019.

Comparada a Virginia Woolf e Nathalie Sarraute, Harwicz é uma das figuras mais radicais da literatura argentina contemporânea. Sua prosa é caracterizada por violência, erotismo, ironia e crítica aos clichês que envolvem as noções de família e as relações tradicionais.
 

ELOGIOS
“Um continuum de imagens poderosas, rupturas verbais, diálogos loucos. E poesia, muita poesia.” – El País

“As ficções de Harwicz não se encaixam em nenhum estilo de literatura e estão a meio caminho entre o solilóquio e o pesadelo, como se fossem o monólogo de um sonâmbulo. A débil mental conta uma história de amor siamês entre mãe e filha.” – The Guardian

“O livro explora a violência dos relacionamentos humanos que abrangem sexo, casamento, maternidade e responsabilidade filial. [...] Há uma energia vital que pulsa nas páginas de Morra, amor, conduzindo a protagonista em cada momento crucial, para que ela finalmente se torne a narradora do próprio destino.” – La Nación

“[...] traz recordações da melhor literatura feminina já escrita, a arrebentação incomparável d’As ondas, de Virginia Woolf.” – Clarín

“Harwicz destaca-se em combater os tabus em torno de desejo feminino, lealdade filial, ausência de instinto materno e até mesmo de incesto.”” – The Guardian


ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Título: A débil mental
Autora: Ariana Harwicz
Tradução: Francesca Angiolillo
Editora: Instante
ISBN: 978-65-87342-02-3
E-ISBN: 978-65-87342-03-0
Formato: 13,5 cm x 20,5 cm
Número de páginas: 96
Edição: 1a
Ano de lançamento: 2020

A débil mental é uma publicação da Editora Instante.